sobre

Aun Helden é uma artista transdisciplinar brasileira que a partir de múltiplas mídias como performance, incorporação prostética, vídeo, som e imagem, desenvolve a criação de novos imaginários de um corpo, criando ficções e linguagens que fogem da expectativa humana e binária, tudo se alinhando á suas pesquisas semióticas e epistemológicas de identidades.
 

"Desnaturalizando seu gênero e sexo, Aun está recriando seu corpo com total autonomia e fluidez. Com o cenário político brasileiro, o trabalho dela é fundamental para combater uma ideologia conservadora."  - DAZED MAGAZINE (2019)

"A imagem que resulta de seus processos, seja nas performances ou no Instagram, são incômodas, apocalípticas e têm origem na sensação de estranheza que sempre a acompanhou." - FFW (2019)

"O resultado são imagens de grande impacto, que incomodam e ecoam seu sentimento de não pertencimento. As próteses de látex permitem a ela fazer e refazer seu corpo, abrindo “possibilidades pra novas reflexões da essência do que se pode um corpo” - LILLIAN PACCE (2019)

Em 2018 participou do setor de performance no SP ARTE com curadoria de Paula Garcia e teve trabalhos selecionados exibidos em Los Angeles pela Art Frieze Fair. No ano seguinte, realizou uma turnê europeia, se apresentando em Barcelona no festival DGTL, em Berlin se apresentou duas vezes no festival Berlin Atonal com a banda Amnesia Scanner e o músico Shapednoise + Pedro Maia, do qual desenvolveu uma colaboração audiovisual já apresentada na República Theca. A turnê também passou por Paris, Milão e Londres.
 

about

Aun Helden is a Brazilian transdisciplinary artist who works with multiple media such as performance, prosthetic incorporation, video, sound and image. She develops the creation process of a new body's imagery, creating fictions and languages ​​that escape from the human and binary expectations, all aligned with her identity semiotic and epistemological research.

"Denaturalizing her gender and sex, Aun is recreating her body with total autonomy and fluidity. With the Brazilian political scenario, Aun's work is fundamental to combat a conservative ideology. " - DAZED MAGAZINE (2019)

"The imagery that results from her processes, whether in performances or on Instagram, are uncomfortable, apocalyptic and stem from the sense of strangeness that has always accompanied her." - FFW (2019)
 

In 2018 she participated in the performance sector at SP ARTE (International Art Festival in São Paulo, Brasil) curated by Paula Garcia and had selected works exhibited in Los Angeles by the Art Frieze Fair. The following year, she performed a European tour, performing in Barcelona at the DGTL festival, in Berlin she performed twice at the Berlin Atonal Festival with Amnesia Scanner and the musician Shapednoise + Pedro Maia, developing an audiovisual collaboration already presented also in the Czech Republic. Her European Tour also went through Paris, Milan and London.
 

Finishing the 2019 presentations, Aun alongside AVNT collective was the opening act of 'The Great Hope Design' by the Iranian singer Sevdaliza in São Paulo.

Finalizando as apresentações de 2019, Aun junto do coletivo AVNT foi abertura de 'The Great Hope Design' da cantora iraniana Sevdaliza em São Paulo.
 

Envolvendo moda, Aun já colaborou três vezes com a Casa de Criadores, ao lado do Brechó Replay (2017) e Estileras (2018/19). Lançou uma linha de camisetas junto da marca CARTEL 011 dando vida á seu trabalho visual censurado pelas redes sociais.